Ser feliz é a chave para o sucesso

O livro “O jeito Harvard de ser feliz” vem desmistificar um pouco a forma como vivemos, dizendo que, na verdade, deveríamos fazer tudo ao contrário do que aprendemos e fazemos.
A maioria das pessoas pensa assim:
“Quando eu conseguir esta promoção no trabalho vou ser feliz.”
“Quando eu emagrecer vou ser feliz.”
“Quando eu terminar de pagar as prestações do carro vou ser feliz.”
“Quando arrumar um emprego vou ser feliz.”
“Quando arrumar um parceiro vou ser feliz.”
Mas as coisas não funcionam assim. Afinal, quando conseguimos aquilo que almejávamos, ficamos brevemente felizes, porém, logo colocamos uma nova meta em nossa vida e mudamos o foco. Buscando resolver outro problema.
Onde está o erro? O erro está na fórmula.
Achamos que o sucesso tráz a felicidade, mas a verdade é que, ao contrário do que sempre buscamos, a felicidade é quem trás o sucesso.
Este pensamento é algo tão distante da realidade de todos, que até os alunos de Harvard, uma das melhores universidades do mundo, tiveram problemas para entender. Fazendo com que o curso de Psicologia Positiva se tornasse o curso mais concorrido da história da universidade.
Devido a grande procura, Shawn Achor escreveu o livro “O jeito Harvard de ser feliz”. Um estudo com mais de 1600 alunos para entender as características que nos levam a ter sucesso. Durante todo o livro, de mais de 100 páginas, o autor prova que felicidade vem antes do sucesso.
Segundo ele:

“Se conseguirmos que alguém aumente o seu nível de otimismo, aprofunde sua conexão social, ou aumente sua felicidade, todos os seus resultados em negócios melhoram drasticamente.”

Observando esse padrão de comportamento que uma empresa de seguros chamada MetLife decidiu contratar parte dos seus funcionários com um critério principal: terem um alto nível de otimismo. Mesmo que eles tivessem um nível ruins no teste de aptidão da empresa.
Ao final de um ano, o grupo contratado pelo seu otimismo superou as vendas dos funcionários contratados pelos métodos convencionais em 19%. Ao final do segundo ano chegaram a ter 57% mais vendas.
É difícil explicar, mas segundo Shawn Achor, só podemos prever 25% do sucesso de um funcionário no trabalho por sua inteligência e habilidades técnicas. Os outros 75% são previstos por 3 categorias gerais: o otimismo (a crença de que o seu comportamento é importante frente aos desafios), conexão social (o quão profundos e amplos são seus relacionamentos sociais), e a maneira como você lida com o estresse.

Achor também afirma:

“Suas notas na faculdade dizem tanto quanto você quanto jogar um par de dados.”

Ok, então ser feliz e otimista é o caminho para o sucesso, mas como fazer isso?
O livro trás 4 ensinamentos:

1. Podemos moldar como nosso cérebro enxerga o mundo (efeito Tetris), seja ela positiva ou negativa. Então você deve criar hábitos positivos que moldem seus pensamentos desta forma:
– Gratidão. Todos os dias pela manhã escreva em um papel 3 coisas pelas quais você é grato. Use 2 minutos para mandar uma mensagem de agradecimento para alguém ao chegar no escritório (um hábito muito utilizado em empresas como Facebook e Microsoft).
– Meditação.
– Exercícios físicos.

2. Veja problemas como desafios, não ameaças.
O autor chama isso de cair para cima, em vez de cair para baixo. Após cada falha, crise ou catástrofe, três coisas podem acontecer:
– Nada muda;
– Você fica preso em um espiral negativo sem conseguir progredir;
– Ou você volta mais forte do que nunca.
Claro que a terceira opção é o melhor cenário. Quando algo ruim acontece, seu cérebro cria diversos cenários alternativos para ajudá-lo a solucionar o problema. É aí que você deve assumir o controle e escolher a melhor opção fazendo você trabalhar mais, ao invés de desistir.

3. Não abandone os amigos. Não pare de socializar.
O que costumamos fazer quando estamos atolados de tarefas? Abandonamos a vida social para ficar completamente focados. O autor do livro revela que os aestudantes que passavam dias trancados na biblioteca sem socializar eram os que entravam primeiro em colapso nervoso e abandonavam a universidade. Ai invés disso devemos fazer o oposto, aumentando as conexões sociais. Quanto mais trabalho, mais precisamos de amigos.

4. A regra dos 20 segundos.
Achor diz que se você conseguir tornar um hábito positivo de 3 a 20 segundos mais fácil de começar sua probabilidade de fazê-lo de fato aumenta drasticamente. O mesmo funciona para os hábitos negativos. Exemplo: Assiste muita TV? Que tal retirar as pilhas do controle para criar um atraso no seu impulso, fazendo desistir deste hábito em alguns momentos?

Em resumo:
1. Felicidade antes do sucesso.
2. Treine seu cérebro para ser otimista.
3. Gratidão sempre.
4 Caia para cima e não desista.
5. Fortaleça suas conexões sociais.
6. Para colocar tudo isso em prática, use a regra dos 20 segundos.

 

LEIA TAMBÉM: 

10 atividades – comprovadas cientificamente – que te deixam mais inteligente