Com equipes focadas e gestores de atitude, é possível crescer – mesmo em tempos difíceis.

Alguns fatores, mesmo que básico, são determinantes para o crescimento empresarial. É o que cita José Eustachio, atual Chief Executive Officer (CEO) da Agência Talent neste texto publicado no Portal Endeavor sobre a busca por soluções em negócios e crescimento mesmo em meio a crise.

Eustachio aponta: “o que mais tenho escutado ultimamente são discursos enfáticos sobre o quanto o momento político e econômico que o Brasil está enfrentando torna difícil a vida de todos nós. Não vou gastar tinta e ocupar esse espaço escrevendo sobre coisas que já estamos exaustos de escutar, de ler, de falar. A pergunta útil é: ok, o negócio está feio, mas tem solução? Como ter sucesso em tempos bicudos?

Na minha modesta visão, só existe um caminho a seguir: é preciso ser mais competente do que os demais competidores. Com raras exceções, as empresas e suas marcas não possuem uma participação de mercado dominante a tal ponto de já não terem como crescer, a não ser que o mercado continue crescendo. Via de regra, a participação está por volta de 5% a 10% (em casos fora da curva, pode chegar a 30%, quem sabe 40%).

Isso significa que, mesmo em períodos de recessão, ainda existe muito espaço para agregar novos clientes, novas vendas. Essa é uma verdade que se expande quando consideramos que concorrentes hoje não são apenas as outras marcas que oferecem os mesmos produtos e serviços, e sim tudo e todos que disputam o bolso das pessoas.

Quando uma empresa se deixa contaminar pelos fatos negativos, pelas notícias ruins, vai gradativamente perdendo seu ânimo, e aí a coisa fica mesmo complicada. Ânimo é uma condição do espírito, da alma; excesso de determinação diante de uma situação adversa é a ação de manifestar sua própria vontade, seu intento. Uma empresa sem ânimo é uma empresa que perdeu sua força, sua coragem. Uma equipe sem ânimo torna-se triste, medrosa, perde a crença em si e na empresa, perde a fé naquilo que faz.

Se existe uma situação que leva ao desastre, é quando uma empresa se encolhe por falta de crença na sua capacidade e no seu negócio.

Ao nos vermos diante de um momento de dificuldade, não devemos ignorar seus efeitos. Na verdade, é lúcido e necessário avaliar o ambiente, identificar riscos e fragilidades, mas apenas para poder desenhar um plano com o intuito de aumentar a capacidade competitiva da empresa. De um lado, aliviar o orçamento de tudo aquilo que representa peso morto, aquelas práticas e custos que pouco ou nada agregam; de outro lado, investir mais agressivamente no que está diretamente relacionado a conquistar mercado, adicionar novos clientes, expandir possibilidades”.

Ele conclui ainda mencionando que a estratégia é “reunir recursos e energia para ter mais apetite e vontade do que o concorrente. Não deixar que a equipe se intimide, se apequene, perca a gana de ocupar mais território”.

Foto: Ben Rea (Eternal Meeting – Metal sculptures having a meeting at the State Education Building in Albany, New York.)